fbpx
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on telegram

Em 2001 eu reencontrei a Dani na faculdade e depois de muitas aventuras (indas e vidas com ela) eu resolvi me mudar para o sul do país em um lugar paradisíaco chamado Florianópolis. Eu aluguei uma casa bem escondida na Costa da Lagoa (que só se chegava de barco ou trilha) e lá fiquei por quase 3 meses. A Dani também foi pra lá e passamos por muitos apertos financeiros, insights espirituais, aventuras, e muito amor. Era tudo muito diferente… Nós não tínhamos celular! No dia de Natal, eu iria buscá-la no aeroporto mas o voo dela foi antecipado e ela foi direto me encontrar sem saber se eu estaria lá ou se eu já teria ido pro aeroporto. Que adrenalina! O refrão da música descreve o momento em que eu tomava café na frente da casa e quando de repente, de surpresa, avistei aquela menina moça descendo da barca para ir ao meu encontro. Eu lembro exatamente de como foi. Em Florianópolis fiz malabares no semáforo e recitei poesias nos bares para conseguir dinheiro. Mas o que deu mais dinheiro foram os brigadeiros dela que vendíamos pela ilha. Depois da aventura decidi voltar (meio perdido) para me reunir com minha família em Santos, São Paulo. A Dani voltou para Campinas (3 horas da cidade de Santos) e ficamos namorando por 8 meses à distância. A letra relata então Floripa, o namoro à distância e tudo mais. Essa música foi gravada em 2007 para ser entregue (junto com outras 5 músicas) como presente aos padrinhos do nosso casamento. É outra das prediletas da Dani por conta dos detalhes na letra, eu falo até do carpado dela, dos seus tempos de saltadora. Mais uma pra você, amor, essa com uma parte tão importante da nossa história 😉
.
In 2001 I met Dani again in college and after many adventures (including breakups between me and her) I decided to move to the south o Brazil in a paradise called Florianópolis. I rented a well hidden house on the Costa da Lagoa (which could only be reached by boat or trail) and stayed there for almost 3 months. Dani also went there to stay with and we went through a lot of financial difficulties, spiritual insights, adventures, and a lot of love. Everything was very different back then … We didn’t have a cell phone! On Christmas Day, I would pick her up at the airport but her flight was early and she went straight to meet me without knowing if I would be there or if I would have already left to the airport. What an adrenaline rush! So the chorus of the song describes the moment when I was drinking coffee in the front yard when suddenly, as a total surprise, I saw that girl coming down from the boat to meet me. I remember exactly how it felt. In Florianópolis I juggled in front of traffic lights and recited poetry in bars to try to earn some tips. But what gave us money were her brigadeiros (chocolate fudges) that we sold everywhere around the island. After the summer adventure I decided to return (still kind of lost) to join my family in Santos, São Paulo. Dani returned to Campinas (3 hours from the city of Santos) and we were long-distance dating for 8 months. The lyrics tell the story about Floripa, long-distance dating and everything else. This song was recorded in 2007 to be delivered (along with 5 other songs) as a gift to the groomsmen and bridesmaids of our wedding. It’s another one of Dani’s favorites because of the details in the lyrics, I even talk about her pike position from her diver times. One more for you, love, this one with such an important chapter of our story 😉

Lyrics

Cheguei em março, entrei na facul pro Sol ter Lua
Numa tão linda alegria de ser, me receber com um sorriso.

Pra minha surpresa, sua festa surpresa eu preparei.
Há quanto tempo eu vi você… 2001 (hum, hum, sou um)

Jardim com flores de todo lugar vieram ajudar
E eu dispersava e vivia, vivia com tudo.
Procurava a onda perfeita e achava a maré baixa
Estava confuso… e ela cantava.

Todo projeto, conselho ou som d’alma
De cabeça saltava, carpado arrasava
Fazendo com alma, com amor.

Minha arte era o mundo e eu recorria a ela como um divã, um portal, uma tarde espiritual.
Onde procurar, estarei
Em seu buscar, me enxerguei.

Na noite ao tocar, dispersava meu foco
Comecei a fugir, a duvidar de ter a perfeita vida e momento.
Fui buscar em outro estado uma casa de lago à beira do mar.
Costa da Lagoa.
Concreta incerteza.

Vou deixar, tentar viver, aproveitar
A grande sorte de ter, de escolher…

A balada negou, entrei na contra-mão.
Não era a hora.
Cansei.
Mas acreditava chegar lá.

Na solidão, pirei.
Mas numa manhã, avistei a barca descendo você.
E novamente o som da natureza.
Eu sentia em minha veia a poesia rodar.
Vem, vem, vem.

Refrão
Vem, menina moça vem.
Vem, vem, vem me olha.
Olha a minha alma, sacode o cabelo e dança.
Dança vem, abre o sorriso é tanta beleza.
Chega!
Chega mais. Mais longe comigo, que eu sinto,
Eu sinto você (Iê, iê, iê, iê) – Eu sinto… você.
Eu sinto você… Eu sinto você.


Confesso que vi, não acreditei
Parecia uma deusa.
E no paraíso vivi, e sobrevivi.
Aprendemos também.

Tua alma sorria e o frio a chegar tomou seu lugar.
Se eu errar, tremer, deixar, deixar de fazer…
Vou soltar, viver, aproveitar a paz.
E a sua vibração, trazendo muito, muito, muito mais.

É sempre fato. Ela é linda.
É mais sensato pra casa voltar.
Eu em Santos – santo Deus, ela a três horas de carro.

Mas, sem tempo e espaço,
Dançamos na chuva com fé, calma e força.
Minha alma falava para eu me acostumar com a perfeita…
Acostumar com a sensação perfeita… vem, vem, vem.

Refrão
Vem, menina moça vem.
Vem, vem, vem me olha.
Olha a minha alma, sacode o cabelo e dança.
Dança vem, abre o sorriso é tanta beleza.
Chega!
Chega mais. Mais longe comigo, que eu sinto,
Eu sinto você (Iê, iê, iê, iê) – Eu sinto… você
Eu sinto você… Eu sinto você.

Nada vai no separar, pois já somos um.
A dificuldade é oportunidade.

Juntos lapidamos o futuro,
E eu respiro o seu presente.

Gratidão, amor e paz.
E paz pra gente!

Eu sinto você!
Eu sinto você!

Info

Written and produced by ROD

ROD: Guitar, vocals, percussion

DANI: Vocals

ADEMIR HENRIQUE: Guitar solo